Oportunidade de trabalho e renda, vagas disponíveis

Oportunidade de trabalho e renda, vagas disponíveis
Quer ganhar um ótimo salário trabalhando de casa fazendo divulgação na internet? Cadastre-se agora clicando na imagem acima. Ganhei mais de R$ 2.500,00 por mês.

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Uruará é o 4º no estado em extração de madeira sem autorização, aponta Imazon

Da redação do GU
Estudo do Imazon Aponta Uruará como um dos que mais extrai madeira sem autorização
Um novo estudo publicado pelo Imazon atestou que 38 mil hectares de floresta foram explorados no período de agosto de 2017 a julho de 2018 no estado do Pará. Desses, apenas 30% possuíam autorização para exploração, enquanto 70% eram irregulares. O Sistema de Monitoramento da Exploração Madeireira (SIMEX) cruza informações das Autorizações para Exploração Florestal (Autefs) operacionais no período, emitidas pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade do estado do Pará (Semas-PA), com imagens de satélite processadas para verificar a consistência e execução dessas autorizações.
A exploração não autorizada de madeira concentrou-se principalmente em áreas privadas ou sob disputa (76%), seguida de Terras Indígenas (12%), Assentamentos (8%) e Unidades de Conservação (UCs) (5%). Quanto às áreas privadas, foram mapeados 18.796 hectares em propriedades inscritas no Cadastro Ambiental Rural (CAR), representando 70% da extração ilegal mapeada no estado”, informa a pesquisa.
Dos 26.938 hectares de floresta explorada sem autorização no referido período, a maioria (81%) ocorreu em 10 municípios. Os cinco municípios com maiores áreas de exploração madeireira ilegal foram: Paragominas (8.174 ha), Tomé-Açú (2.834 ha), Dom Eliseu (2.384 ha), Uruará é o 4º com (1.816 ha) e Ipixuna do Pará (1.432 ha), com um total de 16.640 hectares explorados sem autorização. Altamira aparece em 8º com (982 ha) hectares e Medicilândia aparece em 10º com (751 ha) hectares.
O estudo também traz recomendações para melhorar o monitoramento da atividade exploratória no Pará. São elas: Aperfeiçoar o processo de licenciamento e monitoramento dos planos de manejo florestal sustentáveis; facilitar o acesso a dados sobre os planos de manejo; intensificar fiscalizações em áreas protegidas e verificar a consistência de listas de espécies florestais dos projetos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anuncie sua empresa ou seu negócio no nosso Blog

Anuncie sua empresa ou seu negócio no nosso Blog
Esse espaço é para você divulgar o seu produto e a sua empresa para os nossos leitores